Anúncios

A vida é misteriosa no sentido etiológico mais misterioso possível – causas e resultados se confundem, ou não existem, ou são uma só coisa. A vida nos tira rápido o que adquirimos no demorado tempo das esperas, aí passa um tempo e notamos que nos foi bom. Ou foi terrível.
A vida é boa quando não nos entrega o que pedimos, ela é sagaz e nos entrega o que queremos; ou nos entrega uma desgraça qualquer.
Nem o mais crente nem o mais cético sabe dizer se é verdade ou mentira a história do “destino” – nem o mais besta nem o mais sábio sabe se Deus existe ou não. Não sabemos nem se nós existimos, não como pensamos.
Podemos ser uma minhoca que vê tudo isto que não existe.
E se eu estiver escrevendo em aramaico ou amarrado num hospício crendo que acabei de chegar da academia? Posso ser uma poeira cósmica que criou a persona antropomorfizada que crê-se bípede, não? Ou posso ser a ideia de alguém. Legal poder não existir e não saber que não existo.
Melhor eu continuar noutra hora, se eu existir, estou com fome.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: